quinta-feira, janeiro 29, 2009

Pássaros

video

(Recebido por email)

quarta-feira, janeiro 28, 2009

Galos de colecção

Esta é a minha nova e actual colecção de galos.

terça-feira, janeiro 27, 2009

Vozes de burro não chegam ao céu

Apesar dos animais do Escoural e Barrins de Baixo já saberem escrever como se prova aqui, (clicar), o jornalista do Diário de Coimbra escreve o que o Sr. Presidente da Câmara de Cantanhede nunca lhe teria dito.
Pelo Sr. Presidente, eu ponho as mãos no lume.

segunda-feira, janeiro 26, 2009

Desatar nós

No seguimento do “pensar global e agir local”, considero que as iniciativas individuais podem levar a acções colectivas.
Este tipo de actuações levam a mudanças que podem corrigir e apontar saídas para “viver melhor com menos”, uma saída inteligente que nunca poderá ser suportada em “fundamentalismos”, mas sim na diversificação de formas e meios.
Viver melhor com menos é uma ideia contrária às ideias vigentes, em que se confunde crescimento com desenvolvimento, sendo os resultados os que temos e vemos: poluição, alterações climáticas, esbanjamento de recursos e a recessão que mais pobres origina.
Viver melhor com menos não será recessão, nem falta de desenvolvimentos económico, social e tecnológico, pois estes últimos são essenciais para se possa aprender a viver de nova forma.
Cada um que faça a sua parte e encontre o respectivo caminho e forma de não tirar onde não há.

segunda-feira, janeiro 19, 2009

Astúrias, Pátria Querida

(Para ampliar clicar nas fotos)

video

(Para ouvir clicar no play)

Astúrias, Pátria Querida é o hino oficial das Astúrias.

Trata-se de uma canção popular, que estava enraizada na cultura asturiana e finalmente foi escolhida como hino.

Após investigações sua possível origem é Cuba, quando Ignácio Piñero, músico cubano, fez a canção para seu pai que era asturiano e voltou a seu lugar de origem para morrer.

O hino é tocado em actos solenes do governo asturiano e em apresentações culturais do principado.

Asturies, Patria querida,

Asturies de mios amores

¡Ai! ¡Quién tuviera n'Asturies,

en toes les ocasiones!

Tengo de subir al árbol

tengo de coyer la flor,

y dá-yla a la mio morena

que la ponga nel balcón.

Que la ponga nel balcón,

que la dexe de poner,

tengo de subir al árbol

y la flor tengo coyer.

quarta-feira, janeiro 14, 2009

domingo, janeiro 11, 2009

Flores em Abril

video

A minha homenagem de fífias ao meu amigo e mestre Octávio Sérgio.

Crise

(recebido por email)

sábado, janeiro 10, 2009

No comboio descendente
Vinha tudo à gargalhada.
Uns por verem rir os outros
E outros sem ser por nada
No comboio descendente
De Queluz à Cruz Quebrada...
No comboio descendente
Vinham todos à janela
Uns calados para os outros
E outros a dar-lhes trela
No comboio descendente
De Cruz Quebrada a Palmela...
No comboio descendente
Mas que grande reinação!
Uns dormindo, outros com sono,
E outros nem sim nem não
No comboio descendente
De Palmela a Portimão
Fernando Pessoa

Vindima da Quinta do Nabal

(Fotos de Diogo Gomes)
O verdadeiro Nectar dos Deuses!

segunda-feira, janeiro 05, 2009

Trabalho extra

(Clicar nas fotos para aumentar)
Este tempo de Natal serviu-me para concluir (faltam as cordas) dois instrumentos tradicionais.
Agradeço aos amigos Domingos Machado e Alfredo Machado, a cedência dos planos para ambos os instrumentos, assim como as madeiras para a braguesa feita em tília no tampo harmónico, nogueira nas ilhargas e fundo e braço em choupo.
No caso do cavaquinho, com braço em nogueira e tampo em espruce, é um aproveitamento de madeiras, sobras de outras construções. As ilhargas e o fundo em plátano são de uma árvore que existiu o concelho da Figueira da Foz e abatida quando era presidente da autarquia o Sr. Lopes.

domingo, janeiro 04, 2009

Animais escrevem ao Presidente da Câmara

Senhor Presidente da Câmara Municipal de Cantanhede:
Está prestes a ser concluída uma boa e útil obra que é a nova estrada que liga Cantanhede à Estrada Nacional nº. 109.
Esta nova estrada separa algumas habitações dos Barrins de Baixo e Escoural. Assim sendo e como esta estrada vai ter uma vedação a quase todos os animais domésticos e selvagens, o que é muito bom e como não há passadeiras nem passagens pedonais como é comum haver em todas aldeias, vilas e cidades que são atravessadas por estradas de muito trânsito, não estamos a ver como é que um transeunte passa para a outra margem depois de se deparar com uma vedação relativamente alta para as suas pernas. Tem duas opções: salta a vedação duas vezes ou caminha na direcção da rotunda mais próxima, o que não é muito aconselhável porque pensamos que as rotundas são feitas apenas para os automóveis e camiões. Por todas estas razões concluímos, e muito bem, que não somos pessoas, mas sim animais, animais que se julgam fazer parte do grupo dos mamíferos domésticos. Há ainda mais dois ou três grupos destas espécies que se movimentam de carro-de-mão, de bicicleta, de carroça de vaca, etc. mas a estes fica o Senhor presidente incumbido de dizer o grupo a que pertencem. Sorte tiveram os animais que habitam nas margens da Auto-Estrada A17, que lhe deixaram buracos/túneis para que possam, consoante a época do ano alimentarem-se, reproduzirem-se e conviverem. Era o que também queríamos, não ser menos que os outros. Os trilhos que muito usávamos para procurar alimentos, para conviver… foram-nos vedados, é certo que com a falta de alimento e a falta de convivência a espécie fica ameaçada como é comum em qualquer outra. Queremos informá-Lo dos três trilhos mais usados por estes animais e são eles os seguintes: Rua Dr. Manuel Gomes da Cruz (onde nasceu e viveu por muito tempo o primeiro médico da Freguesia da Tocha e por isso tem o seu nome), Rua do Moinho de Vento (moinho que foi propriedade deste Doutor por herança e que há mais de quarenta anos serviu para tapar todos os buracos destas duas ruas), Rua do Forno da Telha (onde existiu uma fábrica de telha de canudo que serviu para abrigar da chuva e do sol inúmeras famílias do Concelho de Cantanhede e outros e sempre desprezada pelos nossos Munícipes!) e a estrada nova em folha que liga Cochadas aos Barrins.
Sabe o que vamos fazer agora Senhor Presidente! Aconselhar todos os habitantes destas aldeias a deslocarem-se sempre de automóvel para que não pertençam a estes grupos de animais, mas também sabemos que vai ser impossível para muitos! Pelas nossas formas possíveis de comunicação tentámos que percebesse os nossos problemas mas o Senhor não percebeu, também não é obrigado a conhecer todas as vozes dos animais! Foi através dos humanos que conseguimos que o nosso palrar, grunhir, latir… fosse traduzido em Língua Portuguesa e talvez assim o Senhor Presidente perceba aquilo que queremos, que é ter apenas os mesmos direitos daqueles animais que habitam nas margens da A17.
Teríamos muito gosto que o Senhor Presidente fosse o primeiro a ler esta carta, o que será praticamente impossível porque vamos enviá-la através de mail ao maior número de pessoas possível e até porque sabemos que há mais animais com as mesmas preocupações e assim não se sentem tão sós. Obrigado por ter lido, desculpe a linguagem usada mas é exactamente aquilo que sentimos ser, tudo menos humanos! Até já há animais selvagens muito mais bem tratados que nós!
(recebido por email)
Nota: Em tempos que já lá vão, eu reclamei sobre o traçado desta via.
Existe um processo no Governo Civil de Coimbra sobre o assunto, onde a única resposta do Presidente da Câmara da época, Sr. Jorge Catarino, é de uma falta de sensatêz que me espantou, para não dizer que às vezes até me envergonhou.
A responsabilidade deste estado de coisas é do actual presidente da Câmara de Cantanhede.

quinta-feira, janeiro 01, 2009

Já não há resineiros no Escoural

O Manel nunca entendeu a falta no excesso de consumo, muito menos sentiu fartura no que tinha. Nunca entendeu o porquê da obesidade infantil, nem teve, uma vez sequer, necessidade de comprar num centro comercial, pois a feira da Tocha sempre teve tudo aquilo que necessitava para adquirir. Não sabia ver as horas, não tinha relógio, mas nunca chegou atrasado ao trabalho e a todos os encontros da vida. O Manel tinha a perfeita certeza da falta de Justiça que exite debaixo deste céu, e daí o alcunharem de “o Justiça”. O Manel Justiça é a memória do Escoural e dos seus pinhais que ele tão bem conhecia. Já não há resineiros no Escoural!