segunda-feira, junho 29, 2009

Moinho

(Gravura de Alves André)
O rodízio. O rodízio do teu moinho? Sim! Até o rodízio deve ser esquerdo. Esquerdo? Sim, esquerdo para que o bruxedo não entre no moinho. Enquanto houver água na represa o moinho trabalha sem parar, não há mal de quebranto que lhe chegue. Trabalhará como deve ser, não há nada que o impeça de moer. E dorme-se bem no moinho? Claro! Dorme-se sem contar o tempo, embalado ao som dos escadelos. São dois os escadelos que ficam por debaixo da moega. Pode fazer um cigonhal que o do meu moinho está estragado? Claro que sim, posso bem fazer já antes de começar com a relha e o formão. Mas e o olho? Será que lhe fizeram bem o olho ao moinho?
O meu também faz o olho, mas o outro lá de riba, o outro faz cá um olho tão bem feitinho que é um regalo vê-lo a trabalhar. Saiu de manhã à pergunta dele para ele vir fazer o olho, andou o dia quase todo atrás dele para o agarrar. Atrás dele de taberna em taberna? Não! Só há uma taberna, não há outra além daquela. Chegaram ao cerranto da noite, abraçados um ao outro. Amigos são eles! Nada disso, vinham abraçados de bêbados para não caírem.
A andadeira está picada de pouco tempo. A fixa é a mulher, fica por baixo. A mulher quando está por baixo também se mexe. Pois é, pois é, a fixa também se move. É fixa mas também se mexe, mas leva com umas cunhas para não descontrolar. Faz com as cunhas o oscilamento quando não está certa e a de cima andadeira descontrola. A debaixo deve estar fixa, tem que estar direita para que as duas enconem perfeitamente. E tu sabes afinar? Claro que sei! Pancadinhas do lado certo. Afinação de pancada, com cunhas de madeira. O cigonhal, não esqueça o cigonhal.
Tem tudo preparado no teu moinho? E esqueço lá isso, alguma vez. Tu tens tudo? A quelha por onde o grão corre da moega prá quelha e depois pró olhal de cima da que anda de volta. Entre as duas, com um desnível de meia unha, continua a fazer farinha.
Nasci no moinho. Dentro do moinho fui parido. Será que foste feito no moinho ao som dos escadelos? Quem sabem, pois nos moinhos há tempo para tudo. Nasci e logo fui lavado na valeta que corre ao lado. Só depois é que fui para casa, para a cama. Como sabes disso? A minha mãe contou-me.

Ti António Taboeira

Ti António Taboeira foi moleiro e agricultor. Praticava o seu acordeon usando como metronomo a andadeira do seu moinho.
Aqui, Ti António, anima a inauguração do Sítio do Cartaxo, localizado na margem nascente da Lagoa de Mira, em plena paisagem lacustre e em zona classificada de Sítio Rede Natura 2000.
Trata-se de um espaço alternativo no concelho de Mira para a promoção do património natural e cultural da região, com cafetaria, biblioteca e zona de lazer, entre outras surpresas.
Os sócios e amigos da AAMARG disseram presente.

No meu pomar

Já deixaram o ninho e voam por aí!

terça-feira, junho 23, 2009

segunda-feira, junho 22, 2009

quarta-feira, junho 17, 2009

segunda-feira, junho 15, 2009

Batata assada na areia

(...) O sol começa a apertar e os homens, esbraseados do lume e da bola que os desafia, atiram-se às ondas, geladas de rachar neste mar, em algaraviada viril para espantar o frio que corta o fôlego e enregela os ossos. Alguns, a bater o dente, chegam cá acima e são cachorros vadios a sacudirem-se nelas, que não meteram o pezinho friolento na água mas a quem, pois todas gostam de o ter regado, estes respingos de mar, assim atirados nas carnaduras que o fato de banho não cobre, arrepiam e queimam. Agradecem a afronta com ais fingidos e as hormonas à solta forçam-nos a enlear-se em guerras corpo a corpo a que só dão tréguas quando eles batem em retirada a caminho do oceano para arrefecer outros afogueamentos, mais encapelados do que as vagas, capazes de denunciar as intenções de um homem. Um olhar cúmplice de Mário certificou o meu entendimento destas campanhas de arrulhar travadas no areal.
(...)
À volta da fogueira o calor esquenta e a cerveja atiça a língua macharrona do pessoal. Aquilo não é nenhum velório e o livro bíblico afiança ser o vinho que alegra o coração do homem. Aquela, a cerveja, ou este, o tinto, tanto faz, que são simbólicos os versículos sagrados, e por agora o palhinhas Bairradino, dom divino, dizem-me, refresca, enterrado na areia rente à orla de espuma da maré vazante à espera do almoço. Gargalo de fora não vá a malta perder-lhe o rasto. Os homens mais velhos do ajuntamento estão atentos ao fogo. São eles a geração guardiã de um legado regional gastronómico que há-de datar de antanho, da primeira gente arribadiça a esta indómita costa. Pé no barco, pé na terra, este Homem do coração do litoral gandarês, evocado por Almeida Garret, endireita as costas dobradas à enxada e a um chão maninho, raso como a palma da mão, de onde arranca as batatas e os grelos de nabo, para as vergar ao desafio do oceano que lhe há-de esmolar, mãos-largas pela ousadia, fartura de peixe. Os bois puxam a rede que se abre num mar de carapau e sardinha a saltar da malha do saco para a fogueira de trangalhos recolhidos da mata de pinheiros bravos, logo ali, a fixar as areolas da costa e, do brasido, que escaldou a areia, cuja quentura há-de assar as batatas roleiras, grelha-se o peixe e aferventam-se os grelos que as acompanham. Tradição secular e curiosa esta das batatas assadas na areia a acompanhar o pescado, casamento da terra com o mar, que os seniores, patriarcas do clã, vão executando. Não há espinhas nos seus gestos seguros, emanados dos saberes dos seus maiores, que, passada que é uma hora, apresentam as ditas batatas estaladiças, capazes de embebedar-se no azeite frito com alhos que entretanto as mulheres prepararam. No ritual que homenageia a genuinidade, os mais novos são discípulos atentos que hão-de assegurar-lhe a continuidade. Demonstrada, aliás, pela dúvida interessada de um deles quando a mão de mestre de um veterano lhe estende um tubérculo a estalar e com o sal no ponto quando ninguém lhe juntara uma pitada sequer. A explicação, professoral foi pronta e eu não teria feito melhor: então o menino não sabe que o mar, na sua eterna aliança com a areia, a impregna do sal com que ela agora tempera estas batatinhas? Aprende rapaz que os velhos não duram para sempre…
De uma furgoneta de caixa aberta, que a vista de tanto braço disponível para um empurrãozinho fez afoitar pela areia solta, improvisa-se a cozinha e a mesa de apoio e, dos costaneiros que o mar dá à costa, atamancam-se bancadas. Mesmo os mais arredios se encostam, que a hora de dar ao dente é sempre boa, e cada um se desenrasca. Amesendemos! Sirvo-me desta terra que me cabe toda no prato e me sabe divinamente. A mesa concilia e até um ou outro conviva, e as já referenciadas peruas, mandam às malvas a etiqueta e se deixam arrastar pela vaga esfusiante que, amainada a larica maior, vai varrendo o areal.
(...)
Silvério Manata
in
Arneiro do Mar

quarta-feira, junho 10, 2009

A Guitarra e a Universidade

(clicar sobre a imagem para ampliar)

Gândara

...... É no relveio do Cabeço da Areia, ali ao lado das Terras Novas da Remolha, onde termina o baldeado de terra feito a muque e começa o Pinhal do Povo até às Baleiras d’Areia, que se dá o repartir das calcadas e apertadas carradas em milagre de multiplicação do número de fornecimentos de mato de elaborados ocos entre taipais e caniços graças aos pinheiros de monda, para assim aumentar o monte no recebimento do assento dos soberanos e atentos apontadores.
....................................................

terça-feira, junho 09, 2009

Gândara

(Foto tirada do http://setepartidas.blogs.sapo.pt/)
... ali estavam os dois apontadores, lado a lado, soberanos, exibindo os bastões do poder da escrita. Ali, eles tinham todo o poder do momento que a escrita tem. Ali, eles registam majestáticamente o número das carradas de mato que irão a colocar sobre a sementeira do pinho, um rego enorme no comprimento, um carreiro de formigas de mulheres de negro, de lenços traçados cobrindo as faces de memórias de tempos sarracenos ancestrais, de rostos queimados e retalhados de rugas, inclemências do tempo e do sol que queima mais vindo da areia que do céu, arrunhando e cobrindo a sementeira que o vento levará aqui, ali e acolá para o fundo da baleira.
...........

Um probe de Deus

Mais um que é vítima da crise. Um coitadinho que não tem onde cair morto, um sem eira nem beira, enfim, mais um Probe de Deus.
Um probe que assina de cruz, que nada sabe de contabilidade, que de tão probe nem se lembra, pois não sabia das complicadas coisas que se passavam à sua volta, só pode ser mais um asceta a santificar e a atingir o reino do céu da mão invisível que governa o offshore.

segunda-feira, junho 08, 2009

36 anos depois

Velhos grafites, novos designers

Pareceu-me que assim foi

Desci uma centena de metros e estava na Praça da República. Resolvi visitar a AAC.
Decorrem obras no jardim para instalação de bares para estudantes. Percorro o sempre atulhado corredor de acesso às salas da TAUC, onde os velhos grafites têm novos designers. Do corredor da outra ala vem o som de uma aula de guitarra portuguesa. Sai da sala Dr. Jorge Gomes.
30 anos depois voltei a tocar com o Gomes o Ré menor do Artur como se tivéssemos ensaiado na véspera, ou então pareceu-me que assim foi.

sexta-feira, junho 05, 2009

O Cabeço do Escoural

Do cimo do monte do Cabeço vê-se o Caramulinho e o Bussaco da Alcoba, os fascinantes e misteriosos os locais altos que tão altos são.

quarta-feira, junho 03, 2009

Uma tasca mal frequentada

A manchete do último Expresso garantia que o Presidente da República ganhou 150 mil euros no espaço de dois anos através da venda de acções da Sociedade Lusa de Negócios (detentora do BPN).
Portugal é um excelente país, só que anda mal frequentado.