quarta-feira, junho 12, 2019

Gândara

(Casas das Zebras . Foto de 2007 )


(Mapa de 1866)


Salgueiro e Zebras, as povoações desaparecidas.


Salgueiros: Salgueiro, vime ou vimeiro , planta do género Salix, na família Salicaceae
Deu nome a uma povoação que existiu até aos fins do século XIX, Salgueiro, cerca da povoação da Caniceira, entre esta e a Lagoa dos Armadoiros, ou Almadoiros. Foram terras de cultivo de milho e feijão até aos fins do século XX, tendo as casas reutilizadas como apoio às actividades agrícolas até meados do mesmo século, passando a floresta de pinhal com o abandono agrícola, e após o grande incêndio de 15 de Outubro de 2017, está praticamente invadida por acácias e eucaliptos que nasceram a esmo depois do fogo. Na toponímia da Caniceira encontramos a rua das Salgueiras, o caminho que dava para o antigo povoado, agora inexistente.

terça-feira, junho 04, 2019

Tudo vai atrás do dono




Tudo vai atrás do dono.
Uma casa tem que durar a vida de uma pessoa. E vejam o que aqui aconteceu, em tempo, mal logo após o Velho da Canastra e a Velha dele fecharam os olhos e levados a enterrar no largo da igreja, nem um ano passou para a casa se esbarrondasse. Não se aguentou nas paredes dela. O vento do Inverno e aquela chuva toda que veio do céu deitaram abaixo o telhado, e os adobos começaram-se a esboroar. Assim a casa foi atrás do dono. 

Recado ao vento Suão





Recado ao vento seco do Suão.
A coisa repete-se como sendo mais do mesmo, a seca queirosiana mas sem qualquer interesse.
Quanto mais se conhece menos apetece, onde pouca coisa só por acaso, e quando tal acontece, pouco surpreende. Escoa-se o tempo em temas que se não desse-mos importância não existiriam.
Há tanta coisa importante à minha espera, e eu já as hierarquizei.
Que canseira!

sexta-feira, maio 31, 2019

Amarras



Recordo as manhãs de sol a romper pelo lado da serra, ele vem sempre de lá, enquanto a enorme parede de nevoeiro continuava erguida do lado do mar, negra, quase medonha, absorvendo os raios da luz pela frente e largando o negro escuro por trás, para o lado da noite que foge do dia mar adentro. A mente voa para os astros na busca das questões ancestrais, as dúvidas que os antigos colocavam aos céus e neles encontravam respostas certas ou não. Hoje nada é sólido. Já não há amarras como as de antigamente.

terça-feira, maio 28, 2019

Donde é que nós viemos



Donde é que viemos, perguntas tu.
Nós sempre aqui estivemos. Estamos aqui desde que o mundo é mundo, pois o mundo foi feito aquando a nós, e nem de outra maneira poderia ser no nosso entendimento. Nós estamos aqui por estas areias, nas bordas da Lagoa dos Caniçais, desde que o mundo existe ao nosso lado. As estrelas que brilham na noite é que nos dão esta certeza, e são elas que o confirmam. Há por aí quem nos contradiga, quem nos queira dizer que não é bem assim, mas eu pergunto, quem nos guia na noite, já que de dia todos sabemos quem é? Só um néscio é que se perde na noite. São as estrelas que nos guiam, e são elas as nossas testemunhas.

quinta-feira, maio 23, 2019

Parar para pensar



Quando também segardes a sega da vossa terra, o canto do teu campo não segarás totalmente, nem as espigas caídas colherás da tua sega.

[Levítico 19:9]


 E Rute, a moabita, disse a Noemi: Deixa-me ir ao campo, e apanharei espigas atrás daquele em cujos olhos eu achar graça.
[Rute 2:2]


quarta-feira, maio 22, 2019

Já não há colonialismos como os de antigamente.




Parece existir uma guerra tecnológica entre a multinacional chinesa Huawei e o próprio presidente dos USA com sanção decretada à Huawei, que vai provisoriamente poder continuar a utilizar componentes e programas informáticos norte-americanos do Google.
De notar que a Apple, norte-americana, está a registar quedas desse o início de 2019, e que a Huawei chinesa está de vento em popa, e em vias de ultrapassar a Samsung na produção de telemóveis.
A Huawei segue o caminho capitalista puro e duro, enquanto o Sr. Trump se associa aos métodos comunistas. O mercado é livre, mas na condição de ser eu a ditar as regras.
Já não há colonialismos como os de antigamente.




terça-feira, maio 21, 2019

Sinto a necessidade de estudar mais, de ler mais, e de ouvir mais música.


Vivemos um tempo de deslumbre tecnológico com o aparecimento de novos ignorantes no falso igualitarismo das redes sociais demostrado pelos temas repassados e abordados, no desprezo e secundarização pelas hierarquias do saber, do conhecimento profissional e do saber fazer.
Sinto a necessidade de estudar mais, de ler mais, e de ouvir mais música.


segunda-feira, maio 20, 2019

O sentido das coisas



As pessoas estão a deixar as primeiras necessidades para segundo plano e a buscar cada vez mais as futilidades.
Há uns dez anos um autarca dizia em discurso público que um campo de futebol recém-inaugurado era um local que aconselhava a um turista para visita. Ontem um popular em entrevista directa a uma TV aconselhou a visita a uma superfície comercial.
Tudo faz sentido no seguimento do rumo que as coisas têm tomado.

segunda-feira, abril 29, 2019

Aprender com os gatos



Parece que pouca coisa me surpreende, que as novidades são um dejà vu.
Até a mais novinha novidade, aquela mais novinha em folha, me parece que eu até estava á espera dela.
Sei que há pessoas que querem acreditar naquilo que as conforta.
O conforto é o momento, e os gatos sabem disso melhor que ninguém.


quarta-feira, abril 24, 2019

Flores em Abril






Flores em Abril                                                                        
[Peça musical para guitarra portuguesa, composta por Octávio Sérgio]
[Mural de Alves André na EPADRV - Escola Profissional de Agricultura e Desenvolvimento Rural de Vagos]

   Andamos perdidos na cultura do consumo, do trabalho e da produção de coisas que nos dêem retorno ao ciclo.
   O discurso que hoje é usado a abusado até à exaustão de oração salvífica, é o discurso do imprescindível crescimento. Tudo é medido e reportado a tal conceito. Todos os políticos do sistema se focam em tal indicador, mesmo que lhes sussurrem às orelhas que ele não tem quaisquer possibilidades de ser contínuo, têm reacções semelhantes às dos crentes cegos e fanático nos seus dogmas religiosos. Como colocar em causa a verdade absoluta, ideia propagandeada ad nauaseam, quando os pregadores usam o argumento se assim não for, então será o caos?
   Todos nós, em certos momentos, sentimos a necessidade de parar para pensar e assim tentar perceber o que nos rodeia, que esta engrenagem é transmissão de coisa nenhuma, que até o negócio do verde e ecológico que por aí desponta, só apresenta uma capa mais lavada e limpa, mas continua a abusar dos recursos limitados, leva-nos a ter que mudar ideia de desenvolvimento.

   Mais do que revoluções para que tudo fique na mesma, a mudança de paradigma é a necessária, e é quase individual, quase digna de uma revolução espiritual sem dogmas de qualquer espécie, pois têm sido e continuam a ser os dogmas que contaminam tudo.  
   O crescimento pelo crescimento é dogma para atingir o lucro pelo lucro, a fome de dinheiro do Deus supremo que nos governa.
   Há que queimar os hereges na fogueira do ridículo e da ostracização.



terça-feira, abril 23, 2019

Mapa de 1886



Eram assim as povoações da Tocha e arredores em 1886.

quarta-feira, abril 17, 2019

Vale tudo, inclusive tirar olhos


Quando um sindicato fundado há menos de dois meses coloca um país em crise de combustível, quando um fundo de nome estrangeiro adia cirurgias nos hospitais públicos, quando os fogos rurais começam em vários pontos estratégicos à mesma horas da noite, dou comigo a pensar que a coisa está pior do que eu imaginava, que até parece que vale tudo.

quinta-feira, abril 11, 2019

Olhar o passado


Esta foto do buraco negro no centro da nossa galáxia mostra o passado de há anos luz. 
Continuamos a olhar para trás, para o tempo a esvai-se. 
Sendo assim, o futuro não existe !

quarta-feira, abril 10, 2019

Achismo



O Achismo é a corrente dominante dos tempos que correm. 
Diz o achista: eu acho que nenhuma destas coisas aqui apresentadas correspondem à verdade, mas eu acredito. 
Eu acho que o Papa Francisco é um santo porreiro, mas acho às vezes falha. 
Eu sou um devoto de Nossa Senhora , pois até tirei fotos em Fátima, mas acho que essa coisa da virgem não é bem assim.
Jesus é o Nosso Senhor, mas acho que ele dormia com a Maria Madalena. Li no Dawn Brown. 
Eu acho que aquilo que tu dizes não é pecado, apesar do catecismo o dizer.
Achismo, a corrente dominante. 
Até Deus é privado. O meu Deus.
Dantes os desgraçados sabiam que as labaredas do Inferno os esperavam na eternidade. 
Hoje perguntar a alguém se tem lugar no céu, a resposta é que acham que sim!


segunda-feira, abril 08, 2019

O menino amadureceu





Era uma alegria ver a alegria daquele jogador a jogar à bola.
Corria que mal os pés tocavam o solo por onde rolava a bola. Mais parecia um petiz no recreio que um adulto jovem. Era no passe da bola, no saltar que parecia que parava no ponto mais alto do pulo, no driblar, no receber e rematar o esférico com jeito, mais que em força, fora do alcance dos adversários.
De repente perdeu a alegria dançante.
Logo agora que domina as técnicas de recepção e passe, tudo feito com precisão, a tempo e sem improvisação, agora que adivinha as manhas e manobras dos adversários, agora que tem um pontapé preciso.
Será que é o sentir que o jogo é para calendário, pois nada o surpreende, nem as novidades dos passes?
Será que se sentirá a arrastar no espaço do jogo, pois já nem busca a bola, nem pede o passe?
Limita-se a receber o esférico e a colocá-lo com a precisão milimétrica onde ele deverá estar, para os espalhafatosos colegas de equipa. Pouco o já surpreende, onde o jogar à queima não compensa o esforço.
O menino amadureceu. É eficaz, mas perdeu a alegria de brincar com uma bola de futebol.

quinta-feira, abril 04, 2019

O político



O político apareceu, todo ele, engomado, desempoeirado e maquilhado para aparecer bem nas TVs, isto depois de ter descansado a cabeça sobre uma almofada do BES.
Falou.
Eu gostei muito quando ele disse cidadãos.

terça-feira, abril 02, 2019

Sejamos hereges.



O modelo mansamente imposto tem capturado com a dívida os Estados e as pessoas, além de esgotar os recursos limitados da terra, a intoxica com todo o tipo de lixo, é baseado no dogma do crescimento. 
A heresia é necessária à mudança de paradigma.
Sejamos hereges.

segunda-feira, abril 01, 2019

(Santuário de N. S. D’Atocha)




O supremo juiz de todo o mundo,
Dos homens tantas vezes provocado,
Determina lançar no mais profundo,
Os infames autores do pecado.
Já levanta o flagelo furibundo
Já vai ser tudo arruinado:
Mas a mãe que lhe deu nossa humanidade
Mostra os peitos e o volta à piedade.

(Santuário de N. S. D’Atocha)


segunda-feira, março 25, 2019

Páscoa molhada, chuva abençoada




Em 2019, o Equinócio de Março teve como coincidência a fase da Lua Cheia.
Nos tempos idos, ocorrências deste tipo apresentar-se-iam como sinais dos astros que nos governam, e justificariam a seca que persiste e que nos agasta, enquanto o Sol e a Lua não se entendem entre eles.
Hoje consultamos as imagens que os satélites nos dão. Confiamos nos modelos meteorológicos,e  ao mesmo tempo aguardamos que os efeitos de maré na atmosfera cumpram a Páscoa molhada, chuva abençoada.


quarta-feira, março 20, 2019

O céu é quem nos governa



O céu é quem nos governa.
Hoje repetir-se-á a passagem de mais um dos quatro pilares do tempo das voltas do Sol.
Esta próxima noite será noite de Lua Cheia., coincidências que nos fazem lembrar os tempos em que o céu nos governava, com Chuva, Luz e Calor.
Vamos aguardar mais um mês lunar, até 19 de Abril, que nos traga a mudança de humores dos astros.
Desejo a todos um bom Equinócio de Luz e Fraternidade.


segunda-feira, março 18, 2019

A seca do Inverno


Uma seca forte abate-se sobre este fim de Inverno.
Tudo se repetirá no estornicar desta areia escaldante que queimará os pés a quem, descalço como eu, se aventurará sobre ela a caminhar.
As árvores clamarão pela sombra que não darão.

sexta-feira, março 15, 2019

Enquanto o barco se afunda, a orquestra ri.




Rir é algo muito esquisito que nós não controlamos facilmente. É uma expressão facial comum a muitos animais.
Enquanto o barco se afunda, a orquestra ri.


quinta-feira, março 14, 2019

A seca continua


(Manuel Ribeiro, Os Caminhos do Santuário)

terça-feira, março 12, 2019

O chocar do ovo da serpente



O chocar do ovo da serpente
Será que o eclodir do ovo está com o avistamento de fenómenos cada vez mais impensados, tais como o negro fascista, o judeu nazista, a mulher misógina e o pobre burguês?

Anda ver os automóveis




Anda ver os automóveis.
O progresso passa a grande velocidade pela estrada alcatroada com um tapete liso, ladeada por duas linhas brancas pintadas no chão, sempre a direito.
Nós estamos aqui a ouvir o barulho deslizante que as rodas dos automóveis e camiões fazem no asfalto. Dantes ainda ia-mos ver os carros a passar, mas agora eles são quase todos iguais, já nem buzinam.

sexta-feira, março 08, 2019

O despertar dos idiotas


O despertar dos idiotas
Tudo parece ser feito, organizado, no sentido dos desejos da manipulação vigente, do servilismo manso que nos está a ser imposto como cosedura de sapo, substituindo no poder das decisões os até agora ignorantes por idiotas e imbecis.
Assim começa e aprofunda-se a descrença na bondade das acções humanas.


quarta-feira, março 06, 2019

chove



Chove.
Ouço-a nos beirais, magra bênção que o céu forreta nos dá.
Se calhar não merecemos mais, depois dos lamentos televisivos de uma tarde de Entrudo adiado para a Quaresma.

sexta-feira, março 01, 2019

Entrudo




Pelo Carnaval se Ninguém levar a mal, Alguém levará.
Disso eu tenho a certeza!
Ninguém não se importa com o que se poderá dizer ou fazer, mas Alguém está sempre atento ao que poderão dizer acerca daquilo que ele afirma como suas convicções.
Alguém é uma pessoa muito dada ao respeito, pois que o respeitinho é muito lindo.


quarta-feira, fevereiro 27, 2019

Entusiasmo e raiva



Muitas vezes recuamos no que estávamos para fazer ou apresentar aos outros, resguardamo-nos com o cuidado que a prática nos aconselha, justificados pelo estudo e a investigação.
Vamos devagar dando um passo atrás do outro, pois nós só falamos com entusiasmo daquilo que amamos, e com raiva do que odiamos.


terça-feira, fevereiro 26, 2019

Um conventilho de meretrizes



Um conventilho de meretrizes, onde o bode chifrudo está sentado num banco redondo de três pés, ao meio da sala redonda que é a assembleia, e à sua volta os compreendidos em ir a esse clube, em ajuntamento em seu redor. E o Diabo, ele se suma, de todos ouve o que aquelas importantes personagens têm a dizer. São homens que segundo se consta e reza como alguns bons vassalos de El-Rei, e a todos o Inimigo instruirá às acções que por este reino se têm tomado, tão secretas indicações que a vós nem vos passa pela mente. Todos vós sabeis que o Pai da Moscas se reúne com as  marafaias dele em encruzilhadas sob o manto das estrelas. Só que agora é também com homens que se vêem na sociedade como pessoas de bem e de respeito, sabedores das coisas do Mundo e das Escrituras.

Drenagens


E o tempo assim se vai escoando. Não o que há-de vir, mas aquele que ainda existe, esse único tempo que temos e que passa, correndo para trás de si mesmo, que é único, e se esvai como a luz do sol se vai mirrando afundando-se no mar. Na frente do tempo vem o frio e a noite. É o tempo de espera pelo tempo que ele próprio nos dá e se dá a conhecer. Tudo é passado, e os novos planos são as formas de pensar que o trazem animado. 

quinta-feira, fevereiro 21, 2019



O imaginário é o início da construção.
Sejamos arquitectos de nós próprios.
Construamo-nos.




quinta-feira, fevereiro 14, 2019

Chega de mau tempo



Já não se lê, escreve ou conversa em profundidade, isto é, recorrendo a um uso mais alargado número de sinapses, pois as mensagens tendem a ser cada vez mais curtas, reduzindo-se a um slogan ou a uma só palavra, quando não é um simples emojis, os tais bonecos que servem para transmitir emoção, sentimentos e outras coisas mais tão usados nas redes sociais.
Tudo foi reduzido ao mínimo, mesmo até aos nomes dos partidos políticos recentes: veja-se Aliança, Basta, Rir. Só falta escolher emojis para o símbolo do partido político.
Assim não se debatem ideias nem se apresentam propostas. Os próprios partidos acabam por ser inorgânicos, tal qual o famoso movimento de rua de nome “Chega de mau tempo”, que junta lado a lado o que estava a pedir sol e o que estava a pedir chuva.


quinta-feira, fevereiro 07, 2019

O idiota e a felicidade


Será que precisamos, efectivamente, de tudo aquilo em que acreditamos precisar? 
As pessoas afirmam que trabalham muito, e eu acredito que sim, ficam doentes como toxicodependentes do trabalho (workaolicos) e assistem à noite televisão no sofá, em casa, que lhes coloniza a mente. 
Só os idiotas são felizes! Ouço dizer. 
O que seria um idiota sem aquelas coisas que ele acredita precisar?

Vórtice polar de fins de Janeiro de 2019


segunda-feira, fevereiro 04, 2019

Cantanhede, Tocha e Caniceira





… Atendendo a que é convenientemente providenciar a conservação do pinhal Municipal da Tocha, para evitar a invasão das areias e assoreamento dos prédios particulares; atendendo a que não é menos conveniente proteger a sementeira de penisco no terreno público, ou seja feita directamente por conta do município ou espontaneamente pelos povos interessados em precaver as suas propriedades, ………………., resolve estabelecer a seguinte……………………………
---------- POSTURA MUNICIPAL…………………………….
…………. Artigo 2º ………….
… É igualmente proibido o corte ou arranque de junqueiras ou camarneiras, no referido terreno. – A contravenção tem a multa de quinhentos reis, por cada junqueira ou camarneira arrancada ou cortada. ……………………………

… Cantanhede em sessão ordinária da Câmara municipal, trinta de Julho de mil oitocentos e oitenta e oito.
(aa) José António Liberal, José Pinto de Mesquita Oliveira, António dos Santos Pereira, António Pessoa dos Santos. ……


sexta-feira, fevereiro 01, 2019

terça-feira, janeiro 29, 2019

Uma transformação adiabática.



Uma transformação adiabática.
À medida que regredimos no tempo da nossa memória, mais intenso foi o tempo vivido.
Hoje o tempo é mais líquido, apresentando-se a diluir nele mesmo. O tempo não é o que está para vir, mas sim o que está a deixar de ser, ou seja, não há futuro.
Sentimos na vida que o espaço é função do tempo, mas o tempo é função do próprio tempo, ou seja, o tempo no fim de si mesmo, isto é, não há eternidade.

O direito à preguiça



A economia gerada pelo trabalho da preguiça.
As pessoas, tal como os Estados, estão capturadas pela dívida.
Tem sido a dívida que nos tem dado a ilusão da qualidade de vida, plasmada nos bens que as pessoas vão exibindo, desde o carro às fotos de férias e viagens que exibem pelas redes sociais.
E assim para pagar a viagem ou férias já realizadas e o carro em que se desloca, o cidadão é obrigado a ir trabalhar, procurar trabalho, violando assim um dos seus direitos: o direito à preguiça.
Os políticos, todos eles, sejam da esquerda, da direita, de cima ou debaixo, tecem loas ao trabalho e ao crescimento económico, mas nunca se referem à economia gerada pela preguiça.
Falam sobre o direito ao trabalho, mas não falam sobre o direito à preguiça, e relativamente ao crescimento esquecem-se de referir que a coisa, assim como cresce logo decresce, não cresce mais do aquilo que a pele dá.

O último a sair apaga a luz



Onde estará localizado o corte geral para se apagar a luz?
O novo aeroporto de Berlim tinha a sua inauguração prevista para 2011, e segundo a Wikipédia foi adiada para 2017.
Agora tal inauguração só será para 2020 e será uma festa.
Para rentabilizar o espaço, o novo aeroporto de Berlim está a servir de parque para os automóveis Volkswagen que não se podem vender, pois aguardam a certificação para serem vendidos depois do escândalo Dieselgate.

segunda-feira, janeiro 28, 2019

A teimosia da realidade

Mesmo em tempo de pós verdade, por mais e melhor encenação que se faça, mesmo com a melhor propaganda possível, a realidade teima em ser teimosa.
No entanto o tribalismo vigente está acima e por cima da teimosia.



sexta-feira, janeiro 18, 2019

Estou a pensar que amanhã é Sexta-feira.



2019017
Estou a pensar que amanhã é Sexta-feira. 
De semana em semana, de sexta em sexta, à medida que tudo segue o seu caminho, envelhecemos e caímos ao chão como frutos bolecos, sem memória. 
Foi assim. 
É assim.
Será assim! 
O futuro não existe, muito menos a eternidade.


terça-feira, janeiro 15, 2019

Encontrado na arrecadação


Encontrado na arrecadação.
Independente de Cantanhede de 14 de Agosto de 2001.

sexta-feira, janeiro 11, 2019

Guerras de Alecrim e Manjerona, ou Cantanhede, Tocha, Caniceira e vice-versa



Guerras de Alecrim e Manjerona. Cantanhede, Tocha, Caniceira e vice-versa.

POSTURA MUNICIPAL
…………. Artigo 1º ………….
… É proibido o arranque de alcarnacho ou grama no terreno público Municipal, que constitui o Pinhal Público da Tocha, e que confina pelo Norte com o Pinhal Municipal de Mira e pelo Sul com terrenos públicos, pertencentes ao Município da Figueira da Foz. – A contravenção tem a multa de mil reis. ….
Cantanhede em sessão ordinária da Câmara municipal, trinta de Julho de mil oitocentos e oitenta e oito.
(aa) José António Liberal, José Pinto de Mesquita Oliveira, António dos Santos Pereira, António Pessoa dos Santos


segunda-feira, janeiro 07, 2019

Tratamento para os achaques do peito e catarrais


   - Para os achaques do peito e catarrais não há nada melhor que o chá de ferrugem. E como é que tu fazes? Olha que tu não fazes nada, terás que pedir à mulher. Tu nem uma panela de batatas  sabes pôr ao lume, mas eu ensino, pois não tem nada que saber. Pegas as escorrências da chaminé, a ferrugem que lhe fica agarrada, e dentro de um pano limpo ou uma meia bem lavada, que não esteja rôta, fazes uma boneca de ferrugem. Ferves tudo muito bem numa panela limpa e será esse chá de ferrugem, depois de coado, que tomas como remédio. É assim que eu me trato dos meus achaques do peito. Vais ver que te sentirás muito aliviado. É coisa custosa de engolir, mas o que arde cura e o que aperta é o que segura. Olha que para melhorares deve usar uma colher de mel. Mais te digo que o mel cura muito mais que estes remédios todo os males da goela e do peito. As pessoas não o sabem tomar. Como são lambões aproveitam a desculpa de estarem com algum tipo de achaque e logo o comem à colherada. Ele deve ser tomado da maneira correcta. Nunca muito, um pouco na colher basta, e nunca engolir até todo o mel se desfazer por completo. A medicina do mel actua por contacto com a garganta, e quanto tempo demorar a passa pelo canal, melhor. É assim que eu trato os meus problemas de goela, quando consigo arranjar mel, claro!

quinta-feira, janeiro 03, 2019

Hoje, 06:45, olhando o céu.



Hoje, pelas 06:45, a Ursa Maior apresentava a ponta do seu rabo sobre as nossas cabeças, rodando em torno do centro da Roda do Mundo, a imóvel Estrela Polar, enquanto a se encaminha para a cama do Sol sob o olhar de Vénus. 
Depois de amanhã ficará três noites na cama do Sol, para depois aparecer, ao anoitecer, do outro lado do mundo.

sexta-feira, dezembro 21, 2018

Natal


Nasce um Deus. Outros morrem. A verdade
Nem veio nem se foi: o Erro mudou. 
Temos agora uma outra Eternidade,
E era sempre melhor o que passou.
Cega, a Ciência a inútil gleba lavra.
Louca, a Fé vive o sonho do seu culto.
Um novo Deus é só uma palavra.
Não procures nem creias: tudo é oculto.
[Fernando Pessoa]

quinta-feira, dezembro 20, 2018

Venham ver uma fogueira a arder



Há que ter a praça sempre cheia e activa, com uma fogueira a arder no seu centro, para assim se iluminar o espectáculo que é a própria fogueira.
Venham ver, venham ver uma fogueira a arder, grita o pirómano.

terça-feira, dezembro 18, 2018

Ouvir o vento



Até ao solstício de Inverno a noite avança a passos largos sobre o dia, e três dias depois a Luz começará a vencer as Trevas. Este simbólico avanço da noite, hoje embrulhado em lâmpadas de piscar e ruído de música de Natal de consumo pelo consumo, é só mais um retrato do tempo que hoje vivemos.
Mansamente, sem a brutalidade que usou no passado e como se isso nunca a tivesse caracterizado, sem imposições de fila e sem uniforme, a limita-se a dizer aquilo que as pessoas querem e gostam de ouvir, cozinhando o sapo muito lentamente,  
A vitória da Luz solar sobre a Noite, sabemos nós que é pelo Natal, o tal salto de pardal, está certa.
O resto é nosso Trabalho de não irmos sendo endrominados pelas luzes piscantes e pelos ruídos manipuladores.
Maus tempos se avizinham. Basta ouvir o vento que passa.

sexta-feira, dezembro 14, 2018

Novas palavras


Ultimamente tem aprendido muito.
São palavras novas em inglês, pois em português não teriam a credibilidade necessária.

Lawfare: manipulação legal do sistema para instaurar processos para fins políticos.
Crowfunding: financiamento colectivo de diversas fontes por interessados no assunto.


quinta-feira, dezembro 13, 2018

A descredibilização em curso.





Há um processo de descredibilização  em curso.
Tudo descredibilizado faz parte do nivelamento por baixo, necessário  ao avanço  da ditadura mansa que se avizinha, cozinhando o sapo em lume brando.

Passos Manuel





"sendo aliás óbvio que quanto menor for o número destes concelhos tanto mais utilmente se empregarão os seus rendimentos em obras de pública utilidade, diminuindo-se proporcionalmente as despesas permanentes da despesa municipal, que nos pequenos concelhos consomem a totalidade da receita, mas que por isso mesmo tem criado interesses locais em muitos indivíduos, aos quais por esse motivo repugna a agregação a maiores concelhos".

[Passos Manuel, membro do Governo formado logo a seguir à Revolução de Setembro de 1836. Ocupou a pasta de secretário de Estado dos Negócios do Reino]


terça-feira, dezembro 11, 2018



Hoje o Sol cai pelos enormes eucaliptos abaixo, direito ao Mar.