segunda-feira, julho 14, 2008

Post repedido para o regadio

(Os novos buracos da Câmara Municipal de Cantanhede ou o plano para a poupança de água)
Apetecia-me escrever um texto demagógico que fosse uma ferramenta de trabalho salvadora e messiânica.
Com tantos salvadores e sebastiões a quererem regressar em manhãs de nevoeiro, nem valeria a pena realizar eleições para isto e para aquilo, dado que estas são uma perda de tempo e só dão chatices e zangas ente vizinhos e amigos.
Como ainda não consegui escrever tal texto carregado de demagogia, a mente voa para a frase que li algures:
“A ignorância, quando corresponde àquilo em que as pessoas querem acreditar, não é passível de ser combatida.”
A ignorância é o pasto que alimenta a vaca da demagogia e o demagogo protege em todas as frente quem pisa tal erva.

9 comentários:

Carlos Rebola disse...

Amigo Manel

Aí está a rega da relva sintética (greens), provavelmente com água sintética ou da ETAR que ali fica próximo, provavelmente também no convencer que essa não é água que fará falta um dia porque se por um lado for sintética é só aumentar a produção, diga-se fabrico se é da ETAR seria um desperdício a não aproveitar, depois é preciso regar bem as nove virtudes consumadas em outros tantos buracos. Nova versão do jogo tradicional da "côta" que a rapaziada jogava nas aldeias com os troços de "couve do ar" (os tacos) as bolas eram pinhas ou feitas de trapos, os "tees" eram montes de terra e nada era sintético nem as virtudes.
Vejam no link as nove virtudes uma em cada buraco, mais uma na área da educação os buracos dos valores humanos (http://www.portugalgolf.pt/paginas_28/artigos_ff_2008_02_04_a.htm)

E as rotundas continuam a ser regadas em abundância e os munícipes a pagar a água cada vez mais cara. Chamo a atenção dos consumidores que façam uma análise das facturas da água e descubram os erros (chico espertismo? da INOVA) sejam atentos às facturas e leiam o Regulamento aprovado em 30-04-2008.
Um abraço
Carlos Rebola

Manel disse...

Caro Cralos,
Este é o estado a que chegou a Nação, isto é, gastos e e mais gastos do tipo novo riquismo.

E chamam a isto plano de desenvolvimento estratégico.

Anónimo disse...

Bem me estava a parecer que estava a gastar muita água... tenho de ver onde é a fuga...
Bem, se calhar alguém me anda a roubar a água... talvez me tivessem feito uma "puchada" sem dar por ela...

Anónimo disse...

Boa tarde.
Antes de esclarecer os municipes sobre a rega do Campo de Golfe, quero afirmar que o referido campo é absolutamente essencial ao bem estar da população do concelho, principalmente dos mais necessitados. O Golfe é um desporto de massas e, só um míope não vê isto de forma clara e transparente.
Vamos então à água:
1. Não utilizamos água dos Olhos da Fervença sem sequer das Sete Fontes, por não ter o pH, nem os sais necessários para o crescimneto e manutenção da relva.
2. Também não utilizamos água da Vala da Varzila, nem reaproveitamos as águas da ETAR. Estas soluções obrigavam os praticantes da modalidade a utilizar máscara anti-cheiros.
3. Utilizamos água própria, de um furo com mais de 70 metros de profundidade e tratada num tanque
em betão armado, onde se juntam os nutrientes e se faz a correcção do pH.
4. Como exposto apenas as almas mal intencionadas poderão afirmar que a água que gastamos poderá fazer falta.
Esta água é nossa e não fará falta porque:
1. Não vem da rede da INOVA;
2. Não vem da Vala da Varziela;
3. Não é reaproveitada da ETAR;
4. Vem lá dos quintos dos infernos onde a água não faz falta nenhuma.

Espero ter esclarecido.

Bruno E. Santos disse...

A poupança de recursos escassos é importante, sem dúvida!

Mas neste momento, para mim, o mais inquietante e preocupante é ver imagens filmadas em Portugal que lembram o Iraque, a Bósnia, a Tchetchénia ou as favelas do Rio de Janeiro.

http://www.youtube.com/watch?v=LZiqe9h4KgU

Feijão brasileiro disse...

Estará o Bruno preocupado com a inflação do recurso cocaico que originou a guerra entre vizinhos (ciganos e pretos)de Loures?
Olha que aqueles tiros interessam a muito empresário, gente de respeito!
Não te interessa falar no desperdício que se pratica em Cantanhede?

só ha predrada disse...

Há dias a mãe de um colega que trabalha comigo, foi aos Serviços Municipalizados do meu concelho, para avisar que havia uma fuga numa conduta pública de abastecimento. Não se tratava de um ramal privado, portanto. Qual o seu espanto quando lhe pediram 30 euros para apresentar a "reclamação". Pobre país de inúteis e incompetentes.

noticiasd'aldeia disse...

Todos sabemos que a água, será – já o é – um dos maiores negócios do planeta. Um bem essencial à vida, escasso e finito, será progressivamente privatizado e vendido especulativamente. Por enquanto, vai provendo de forma geral e no país inteiro, os cofres autárquicos, ao mesmo tempo que as mesmas autarquias, desperdiçam em lindos fontanários, rupturas nas condutas e regas de greens, o que havemos de pagar a peso de ouro.

Aqui por Estarreja, o carnaval – mais samba, menos samba – é o mesmo. O que me espanta, é que estes desmandos sejam encarados como uma a fatalidade. Esta gente videirinha que ascendendo a uma qualquer função pública, se entende ter ascendido ao céu, abusa da prerrogativa que o povo lhes confere de, temporariamente, gerir o seu destino. O que seria normal, em vez de nos lamentarmos, seria a sua responsabilização judicial e o ressarcimento dos prejuízos que tenham causado.
Abraço,

Bruno E. Santos disse...

Não sou insensível ao problema da água! Aliás, desde a seca de 2005 (pela primeira vez, dois poços secos no quintal), começei a dar muito mais atenção a esta questão! Coisa inimaginável há alguns anos atrás, agora quando aparece uma chuva torrencial, passo largos minutos à janela a apreciar o fenómeno!

Todos sabemos que quando os recursos escassearem a sério, o pessoal vai resolver a questão da sua obtenção pelo método de resolução de disputas visto na Quinta da Fonte! O problema, é se esses comportamentos anárquicos extravasarem os limites desses bairros e se alastrarem ao resto do país muito mais cedo do que o imaginável!

Quanto à questão do golfe, existem projectos para vários campos em todos os concelhos limítrofes! Haverá água suficiente para a sua rega? Existirão potenciais clientes em número suficiente para todos?

Uma solução de compromisso ecológico pode passar por alterações das regras da modalidade! Porquê só campos de 18 e/ou de 9 buracos? Será preferível fazer campos de 3 ou 6 buracos e partidas com 6, 5 ou 3 voltas ao recinto!

P.S.! Quanto à questão dos recursos cocaicos, basta acompanhar os "media" para constatar que existem em grande abundância, com maior pureza e a metade do preço; em relação há 10 ou 15 anos atrás! Aliás, este será um dos poucos ramos de negócio do país em que há verdadeira concorrência e funciona o mercado!