sábado, janeiro 27, 2007

Leituras (1)

… Aos poucos, a chuvia foi amainando. Ficaba unha mañana gris, chea de friaxe, e o vento mareiro de Carnota facía tremar as árbores molladas, com súpetos calafrios fugaces.

2 comentários:

Arsénio disse...

Falhou um comentário anterior que quis «postar» aqui. Então agora só direi que me alegrou ver, pela mão do Manel, este lamiré sobre o livro. Fala da Galiza e parece escrito por autor galego em galego sem mistura de castrapismo oficial. Editado pelo jornal A Nosa Terra. Parabéns, Manel! Sempre a irradiar, sempre a abrir! Um abraço valente!

Manel disse...

Um pequeno grande livro que encontrei numa livraria de Sigueiro, quando fui à pergunta de Rosalía de Castro.
Uma maravilha de leitura, amigo Arsénio! Coisas simples que são belas.