terça-feira, fevereiro 23, 2010

Leituras

114ª SURATA (OS HUMANOS)

210. No Islam, a igualdade de condições entre os sexos, não somente é reconhecida, como imposta veementemente. Se a distinção dos sexos, que é uma distinção fornecida pela natureza, não conta em questões espirituais, muito menos contarão, certamente, as distinções artificiais, tais como: linhagem, riqueza, posição, raça, cor, origem etc.

“A profecia é algo muito difícil, especialmente em relação ao futuro". Foi o que me veio à mente quando li esta passagem do Alcorão,

Fonte digital: Centro Cultural Beneficente Árabe Islâmico de Foz do Iguaçu. http://www.islam.com.br/

4 comentários:

Carlos Rebola disse...

Penso que é preciso cuidado, quando se interpreta à luz do contexto actual o que foi produzido em contexto ancestral.

Manel disse...

Ando a ler uma tradução do Alcorão.
Já li, algures, que deveria primeiro aprender árabe para o ler, talvez como o ex-jogador de futebol Abel Xavier, mas eu também não aprendi aramaico ou grego para ler a Bíblia.

Acreditas que do pouco que ainda li do Alcorão, este me parece muito idêntico à Bíblia?

A. M. disse...

Não é segredo, porque é da história, que as três religiões monoteístas - a hebraica, a cristã e a islâmica - nasceram todas de um mesmo tronco comum. Depois houve as cisões. Mas até depois das cisões essas religiões conservavam vestígios de filosofias e doutrinas espirituais de religiões anteriores. Portanto, amigo Manel, o que haverá realmente de estranho nisso?!
Eu já ia neste ponto a lançar-me, porque isto são cerejas ao monte, mas detenho-me: as cerejas são canastrão, carrada imensa, o melhor será parar por aqui deixando abraço pró leitor do Alcorão e o nosso amigo Carlos Rebola.

Manel disse...

As religiões monoteístas têm um coisa em comum, que não é o deus único, mas sim a verdade.
Só uma é a verdadeira! As outras são as falsas, as do caminho errado, as dos inféis a abter actualmente e como foi no passado.

Caro Arsénio,
É sabido, porque é da história e é actual, para um religioso a sua religião é a verdadeira e, o deus da religião dos outros é que é a falsa. São as circunstâncias, disse alguém uma vez.
Tal qual um deus que joga aos dados e só escolhe as jogadas que ganha, dos livros religiosos podemos retirar passsagens como a que publiquei. Dá para tudo e todos, à vontade do freguêz.

um abraço
manel