segunda-feira, novembro 26, 2007

Só para lembrar

13 comentários:

Anónimo disse...

A julgar pelas toneladas de sacos de plástico que a maioria dos nossos hipermercados da Gândara dá de mão beijada, digo, quase obriga a trazer, melhor, olha para o cliente que diz que não quer sacos como se estivesse a olhar para uma espécie rara, podemos dizer que estão muito preocupados em deixar um mundo melhor aos descendentes. Senhores donos dos INTERMARCHÉS, JUMBOS E COOPERATIVAS FAÇAM UM DESCONTO NO PREÇO FINAL A QUEM JÁ LEVAR SACO DE CASA. Pouparão dinheiro e lixeiras.
Já agora,quanto é que um hipermercado gasta por ano (em quantidade e em dinheiro) na compra de sacos para clientes?
Fatiminha

Jorge Guerra disse...

Concordo inteiramente e dou os meus parabéns pela acção individual. Esse problema foi identificado, mas não sei em que ficou, para além da legenda "saco degradável". Quanto aos custos, não devem ser muitos: algumas superfícies inserem aí anúncios que pagam os sacos.

Manel disse...

Existe uma relação entre o lixo produzido e espalhado ao Deus dará e o nível de qualificação das pessoas.
O supermercado ao oferecer sacos de plástico e pior ainda a incentivar a sua utilização, só pretende ir ao encontro dessa falta de sensibilização das pessoas para as questões ambientais, que nos coloca quase a nível de terceiro mundo.
É um problema da actual economia os preços dos bens não reflectirem os seus respectivos custos, daí a injustiças observadas nos preços.
Por aqui se prova que o saco de plástico que tem um preço quase nulo tem na verdade um custo elevadíssimo.
A questão ambiental é, também, um enormíssimo problema económico e social à escala global.

Manel disse...

Este problema do lixo, sua recolha e gestão é da responsabilidade das autarquias. Eu não tenho conhecimento que estas tenham política ambiental, e mesmo até duvido se os eleitos sabem o que isso é, pois para eles parece que ambiente é relvar rotundas e gastar nas estradas água para as manter verdes. Têm taxas para tanta coisa, mas para alterar e mudar comportamentos não têm porque isso pode custar votos.
A qualificação ambiental dos eleitores é a que é! …………….

Anónimo disse...

A questão das rotundas e jardins municipais com relva e vegetação tropical é outra moda que os nossos filhos hão-de acabar. Até arrepia ver os chuveiros a regar ao meio dia no Verão... Em Londres, há parques que já se deixaram disto e disponibilizam a quem quiser um pedacinho de terreno para aí semearem as suas alfaces, as suas couves,as suas flores. O que interessa é continuar com o verde, mas com o verde funcional.
Já agora, uma excepção para uma rotunda da Praia da Tocha e uma da Praia de Mira (esta quase completamente destruída por estacionamentos apressados em Agosto)onde ajardinaram com plantas autóctones, nomeadamente, vegetação dunar, lindíssima, própria para as agruras da areia e da falta de água.
Fatiminha

Anónimo disse...

Por acaso perguntei este fim de semana num Intermarché da Gândara quantas sacas é que a caixa "dava" por dia. Respondeu-me que, em média, gasta um caixote de sacos de plástico, o que são quarenta quilos de plástico. Ora, se estiverem a trabalhar cinco caixas "dão" 200 kg de plástico. 200 x 363 dias do ano (penso que estarão fechados no dia de Natal e no dia de Páscoa) é igual a 72 600 quilos. Não sei há quanto tempo é que estão abertos ao público, mas digamos que há dez anos. Portanto, 726 toneladas de plástico algures nas lixeiras da Gândara.
Fatiminha

Anónimo disse...

E a electrificação da estrada Lagoa _Praia de Mira quantas toneladas de CO2 emite para a atmosfera? Era, de facto, uma obra há muito reivindicada por javalis e coelhos.

M.Domingues disse...

Caros(as) amigos (as),

Estou plenamente de acordo com a protecção do ambiente!
Só que no meu ponto de vista, o problema não está nos sacos de supermercado, até
porque na sua maioria são de polietileno e adequados para estar em contacto com produtos alimentares!
Todos !!!!!!! os produtos embalados e expostos no supermercado, a embalagem ou película também é polietileno! (só com outra cor ou transparente)
Então todas estas embalagens não são muito mais quantidade do que o simples saco de plástico dado á saída?
- E o polietileno é 100% reciclável, ...Não?!!!!!!
Penso que 100 kilos de sacos de supermercado, poluem muito menos que 1 litro de petróleo!
(ainda não vi morrer nenhum peixe ou ave por andar um saco de plástico a flutuar num lago)
Agora os plásticos técnicos e industriais, esses sim são um verdadeiro veneno para o ambiente!
- Neste tipo de plásticos já ninguém fala nem se preocupa com a sua eliminação....
Falando de supermercados que vendem óleos e baterias de automóvel ao público em geral,
pedem ao cliente para lhe devolver o óleo ou bateria usada ,quando este lá compra uma nova e paga o eco-valor?
Quem muda o óleo ou uma bateria ao automóvel em casa, o que faz ao velho?
... Muito se fala de ambiente, mas nada se faz porque a poucos interessa!

Cumprimentos a todos

Jorge Guerra disse...

Olhai como eles pensam resolver este assunto: http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?id_news=307895

Jorge Guerra disse...

E antevendo a previsível ex-taxa-do-isqueiro, os argumentos aqui expostos não são despiciendos: http://adufe.net/2007/12/as-vistas-curtinhas-dos-cobradores-de-sacos/

Manel disse...

caro Jorge,
A Irlanda reduziu 90% os sacos de pl�stico com uma medida deste tipo, segundo ouvi na TSF.
N�o sou apologista da proibi�o.

Anónimo disse...

Deixando os sacos e indo para outras estratégias verdes... Li na Time de Abril (está online) a seguinte pergunta: o que é responsável por mais aquecimento global: o seu BMW ou o seu Big Mac? Acreditem ou não é o hamburger. De facto, de acordo com um estudo da U.N.'s Food and Agriculture Organization a indústria da carne é responsável por 18% das emissões de gases com efeito de estufa, mais do que os transportes. A solução que este artigo apresenta é o vegetarianismo. Mas nem só revistas internacionais chamam a atenção para o impacto que a criação de gado tem no ambiente. O livro de Geografia do meu filho tem um quadro (que foi preciso estudar para os testes) com os seguintes valores: para obtermos um quilo de pão precisamos de igual quantidade de cereais; para obtermos um quilo de peixe precisamos de 1,5 kg de cereais; para um quilo de carne de aves precisamos de as alimentar com 2 kg de cereais e para obtermos um quilo de carne de vaca precisamos de 8 kg de cereais. Eu que tenho aves de capoeira em casa já tinha reparado que "Gado de bico nunca deixou o dono rico." A tonelada de milho que eu comprei a um agricultor local dava para fazer uma tonelada de broa, de pão, de polenta, de papas de farinha de milho... No entanto, ele até parece que se evapora nos papos de galinhas, frangos, gansos e patos. Depois, este "investimento" foi diminuído em 24 cabeças quando um animal selvagem entrou na cerca há três semanas (consequência da destruição de hectares e hectares de pinhal e zona verde para a A17 que desnorteia os bichos e os obriga a procurar alimento nas populações), é diminuído quando algum galo velho aparece estendido de manhã na cortelha, e é diminuído quando vemos o resultado depois de depenados.
Um abraço vegetariano
Fatiminha

M.Domingues disse...

??...No avançar dos tempos, não vai ser preciso mais broa, galinhas, porcos, vacas,... porque 1 ton. de cereais produzirá uns 100 lts. de combustível eco, para andarmos todos de cu tremido no pópó!!... e a comer se houver apetite! http://www.primidi.com/2005/07/08.html

Saudações
M.D.