quinta-feira, julho 19, 2007

Pintura

O concelho de Cantanhede e os seus autarcas vivem uma permanente festividade. Efectivamente, transformaram-se em comissões de festas e aspiram a líderes do descontentamento dos que reagem à mudança, servindo-se assim desse avivado receio para angariar votos. Para o autarca, o município é uma espécie de mini Estado e a praça do município uma parada dos desfiles de vária ordem com todos os desejados serviços públicos que teria uma capital de qualquer coisa, daí se ouvir que Cantanhede é a capital da Gândara, como se a Gândara necessitasse de alguma capital para o ser. O município não passa de uma organização herdada ao longo dos tempos, não sendo mais que a evolução do caciquismo que vem de longa data, bem do tempo da ditadura, e dos trinta e tal anos de sedimentação evolutiva e farta no tempo da democracia. É este mini estado soviético a que chegou o município, quando algo muda é para que tudo fique melhor na manutenção do estado de coisas. A falta de racionalidade que tem imperado é mais com o receio a qualquer manifestação reactiva à mudança. A ideia que vai passando é a que o município quer o que a população quer no imediato, e isso tem sido apresentado como a melhor solução. Como a vida económica do município é transversal ao espaço geográfico em que este se encerra, é notória a falta de parcerias na busca da solidariedade extra municipal e regional, assim como essa mesma falta de solidariedade existe intra muros municipais quando os votos em causa não caem ou não pesam no bolo eleitoral final. Tal como cantariam os gatos fedorentos, diz que é uma espécie de mini estado. Infelizmente há muitos municípios assim, neste jardim de rotundas floridas.

5 comentários:

C Valente disse...

Os municipios são os mini governos com mini 1º ministros, sendo este um feudo, como antigamente, por vezes mudam é as moscas, p+or essas e por outras é que o cidadaão comum está farto destes politicos da treta.
Bom fim de semana
Saudações

Fui enganado disse...

"Com papas e bolos se enganam os tolos"... assim vai o "povão"...
A Câmara de Cantanhede está transformada numa "mega-comissão de festas" que faz concorrência a si própria. Neste momento está a pagar a Expofacic e o S. Tomé em Ançã.. 2 festas a concorrerem pelo mesmo público... em suma: temos uma "espécie de câmara" que dá uma "espécie" de ideia que faz alguma coisa pelo concelho..

LopesCa disse...

Eu sei que o importante era a Câmara de Cantanhede mas ... achei imensa piada à imaginação do pintor.

Manel disse...

Lopesca,
Mais imaginação que o pintor têm os políticos locais. Pintam uma ralidade que não existe de um concelho em festa permanente. Claro que há quem ganhe com isso, mas o retorno económico e cultural não não há. Veja-se o Dixiland

H(W)orst de Cantanhede disse...

"Pão e Circo para o Povo de Roma" era assim noutros tempos na cidade fundada pelos irmãos Rómulo e Remo. Golpes palacianos, facadas nas costas, generais e senadores corruptos, a ganância, a volúptia, a luxúria, levaram a grande cidade-estado à ruína. A História tem muito para nos ensinar...