quarta-feira, maio 30, 2007

A lei e os "moralistas"

Aqueles que se assumem com uma superioridade moral, quer ela seja induzida por religião que dizem professar, quer pelo facto de estarem do lado de dentro (ou de fora) de um balcão de um Serviço público ou outro motivo qualquer, chateiam-me a ponto de eu ficar chateado. Li no jornal Asbeiras , que os Centros de Saúde de Viseu estão na “lista negra” das instituições que negam consultas de planeamento familiar aos jovens e adolescentes e que as adolescentes que visitaram os centros de saúde e delegações do IPJ queixaram-se de “falta de discrição dos funcionários da recepção”, refere um estudo da Deco. Segundo o mesmo, os funcionários “falaram alto, deixando as jovens embaraçadas, foram antipáticos, arrogantes e pouco disponíveis”. Como poderei classificar tais funcionários?

5 comentários:

botafogo disse...

MERDA de funcionários, ou melhor, MERDA de chefes que os dirigem

Farofia disse...

Estupidos, Arrogantes, Mal Pagos, Preguiçosos, Parasitas da sociedade, néscios!!

mal cagado disse...

alguns não têm culpa, são paus mandados, mas os respectivos chefes são mesmo parasitas pois tinham obrigação de ver o que está mal

Joao Gentil disse...

É cultural. É do sistema, a culpa. É, tambem, o meu dia-a-dia. Nao se conhecem as razões...mas nao são fornecidos preservativos e contraceptivos hormonais/orais em quantidade mínima para dar cobertura ás necessidades. Será uma das razões?

Arsénio disse...

Eu vejo nisto a influência de um certo fanatismo religioso talvez vizinho da mentalidade da Inquisição. Não faltará muito e essa gente reclamará um Torquemada para purificar (na fogueira) este mundo de pecado!
A ignorância há-de ser cega, irracional, criminosa. E julga-se inatacável em nome da «fé»! E ninguém, politicamente correcto, aparece a dizer que... merda de religião!