terça-feira, maio 09, 2006

Para que nunca seja tarde

Só porque hoje senti o não querer compreender as mudanças e a indiferença em relação aos outros, me lembrei do poema de Bertolt Brecht, que de imediato pesquisei. Para que nunca seja tarde. Primeiro levaram os comunistas, Mas eu não me importei Porque não era nada comigo. Em seguida levaram alguns operários, Mas a mim não me afectou Porque eu não sou operário. Depois prenderam os sindicalistas, Mas eu não me incomodei Porque nunca fui sindicalista. Logo a seguir chegou a vez De alguns padres, mas como Nunca fui religioso, também não liguei. Agora levaram-me a mim E quando percebi, Já era tarde

2 comentários:

Luís Lusitano disse...

É verdade Manel, este poema é cada vez mais actual, pois vivemos numa sociedade egoísta e egocêntrica, temos de ser mais tolerantes e condescendentes, temos de pensar de pensar nos outros, pois qd pensamos nos outros pensamos em nós.

Um grande abraço

Manel disse...

Um abraço Luís.
A indiferença reinante preocupa-me.