quinta-feira, abril 20, 2006

Era uma vez!

Era uma vez um país cinzento onde nada acontecia... Ou melhor, as coisas e as pessoas aconteciam e nasciam, mas logo que acabavam de acontecer e de nascer, a cor era-lhes retirada, tudo passava a ser cinzento como nos noticiários da televisão da época. Até que...

9 comentários:

Arsénio disse...

...Até que, amigo Manel, rebentou o 25 A e se abriu o arco-íris! Graças, muitas graças, pois a «revolução dos cravos» me pôs desde então a festejar o aniversário em feriado festivo! Foi obra! Saúde, MFA!

Manel disse...

Arsénio,
Um abraço amigo.
Fique a saber, meu amigo, que tive uma longa conversa com o capitão que na fota leva a palada do polícia, como a reconhecer que as coisas já não eram como tinham sido até aquele dia. Já passaram 23 anos, e não poderei esquecer, de forma alguma, o capitão Maia.

Manel disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...

Nasci em 75 e agora, 31 anos depois ainda não consegui compreender a razão do feriado. Além da boa vida e falta de produtividade por ele motivada, que mais pode representar este dia 25 de abril. A liberdade é assim algo de tão bom neste pais de falhados?

Manel disse...

caro Anónimo,
Compreendo que para quem nasceu após 74, a quem o espectro de participar numa guerra nunca lhe foi colocado, em que a liberdade, ou melhor dizendo, a possibilidade de a procurar, nunca lhe foi posta em causa , ou se tal aconteceu, que aconteceu e acontece, existe a possibilidade de remediar, comemorar a data histórica pode na verdade ser só mais um feriado.
Se agora neste país, que o meu amigo chama de falhados ( aceito que alguém se sinta falhado que não eu), não existisse a possibilidade de procurar a liberdade individual, então o cinzentismo seria bem maior.
Sei de pessoas que não gostam das ideias do 25 de Abril.
Eu continuo a preferir sentir a angustia de ser livre ao medo de o ser.
É que aos falhados teremos que somar os medrosos.
Um abraço
Manuel Ribeiro

Anónimo disse...

Se o resultado global deste pais é completamente falhado, que mais poderei eu chamar senão falhados aos Portugueses.
A maioria faz a nossa cor.
Não me considero falhado, mas infelizmente os como eu não são a tal maioria.

Manel disse...

Há qualquer coisa errada que não está que não está certa!
Nunca um ideal libertário foi, é, ou será falhado! Nunca.

Carrana disse...

Esta LIVRE troca de ideias só é possível porque aconteceu o 25 Abril. OK!

Carrana disse...

A correspondência fechadinha que recebemos em nossas casas... tb só possível depois do 25 Abril... Parecem pequenos pormenores, mas são exemplos de uma LIBERDADE e PRIVACIDADE conquistadas...